Evolução dos Congressos Históricos em Guimarães

Por iniciativa do Eng.º Duarte do Amaral, realizou-se em 1979, o I Congresso Histórico sobre Guimarães e a sua colegiada. A Guimarães chegaram todos os nomes sonantes da historiografia portuguesa de então. Apenas com um hotel, a cidade não tinha estruturas de acolhimento para tanta gente, mas isso não foi impedimento. As famílias vimaranenses abriram as suas portas aos congressistas e o Liceu as suas salas.

Passados quase 20 anos, o Prof. Diogo Freitas do Amaral retomou a iniciativa do pai, e em 1996, sob a sua presidência, com o apoio da Câmara, realizou-se o II Congresso Histórico de Guimarães com o tema D. Afonso Henriques e a sua Época. Já então a cidade se ia transfigurando com equipamentos hoteleiros adequados, realizando-se as sessões nos anfiteatros da Universidade do Minho. Coordenaram cientificamente dois investigadores de topo da alta Idade Média, José Matoso e Oliveira Marques, acorrendo a Guimarães medievalistas de todo o país. Por proposta da então Secretária Geral, Maria Norberta Amorim, uma sessão debruçou-se sobre História Local, com resultados que enriqueceram a história desta cidade e da sua envolvência rural.

Nas conclusões do Congresso, aceitou-se então que os Congressos Históricos de Guimarães teriam a periodicidade de 5 anos e em cada um dos Congressos seria escolhido o tema para o congresso seguinte.

D. Manuel e a sua Época foi o tema escolhido para o III Congresso Histórico, de 2001, sendo coordenador científico o Prof. Baquero Moreno.

Em 2006, já com a Presidência do Prof. Oliveira Ramos, dada os compromissos políticos do Prof. Freitas do Amaral, e a coordenação científica do Prof. Ribeiro da Silva, no IV Congresso Histórico, o tema foi Do Absolutismo ao Liberalismo, sempre com a componente da história local.

Dado que em 2012 Guimarães se preparava para se afirmar como capital europeia da Cultura, entendeu-se fazer coincidir um novo congresso histórico com esse acontecimento. Foi a oportunidade de alterar o modelo dos congressos, transformando-os em Congressos Internacionais, atraindo à cidade de Guimarães congressistas europeus e não só - foi um primeiro passo para situar Guimarães como centro de Congressos Internacionais, o que não se afigurava difícil, dada a magia da sua envolvência urbana.

Deu-se início a um novo ciclo de congressos históricos, centrados sobre o estudo das cidades, numa perspetiva internacional. Concretizou-se assim o I Congresso Histórico Internacional - "As Cidades na História", com o tema População. A iniciativa foi um sucesso com quase uma centena de participantes vindos da Europa e da América, principalmente, e foi ocasião de aprofundar temas desafiantes como a população da Cidade Antiga ou Medieval e alargar investigação às épocas mais recentes.

Seguiu-se, em 2017, o II Congresso Histórico Internacional – “As Cidades na História”, incidindo agora sobre o tema Sociedade. Mais uma vez a resposta da comunidade académica europeia e americana foi excelente, contando o congresso com um painel de mais de uma centena de congressistas.

Mas o desafio continua. Prevê-se agora, para 2022, a realização do III Congresso Histórico Internacional - “As Cidades na História” sobre o tema Economia.